sexta-feira, novembro 16, 2007

Cantando com FRANCISCO NAIA

FRANCISCO NAIA (Francisco Manuel Naia Tonicher) nasceu na Estação de Ourique – Gare, concelho de Castro Verde, Baixo Alentejo., tendo sido registado, em 27 de Dezembro, na Conservatória do Registo Civil de Beja, terra da naturalidade dos seus pais . É licenciado em Filologia Germânica e Professor do ensinosecundário, em Almada.

Em l969, após regresso do serviço militar e reingresso na Universidade – Faculdade de Letras – reencontra José Afonso e integra-se num grupo de diversos cantores, músicos e poetas, cujas criações e obras - dotadas de um profundo sentimento de protesto contra o regime, contra a guerra colonial e de denúncia da grande injustiça social, então reinante - procuravam divulgar por tudo o que era sítio (destaca, para além do Zeca, o Adriano Correia de Oliveira, Francisco Fanhais, Luís Cília,Denis Cintra, António Pedro Braga, Pedro, Vieira da Silva, Manuel Freire, José Carlos Vasconcelos, Joaquim Pessoa José Fanha, Pedrosa, António Macedo, Mário Viegas, José Jorge Letria, Ernesto César, Samuel , Nuno Filipe, José Manuel Osório, Teresa Paula Brito, Maria Teresa Horta, Pedro Barroso, Fausto, José Barata Moura, Rita Olivais, Rui Mingas, Márinho, Fernando Laranjeira, Mário Piçarra, Carlos Alberto Moniz , Sérgio Godinho; José Mário Branco, Pedro Osório, Jorge Palma, Caldeira Cabral, Fernando Alvim, António Pinheiro da Silva (Tó), etc.)
Ainda em 1969 edita para a RCA, os seguintes trabalhos Canção da solidão ( single – 1970 ); Amigo João (EP – 1970 ); Lá em casa somos três (single – l970); Canto Suão ( EP – 1970 ); Ò moças Façam arquinhos ( single – 1971/72 ), tema muito divulgado e de grande aceitação popular; Porque teimas em voar ( EP – 1972 ) ; Resolvi subir a montanha ( single – 1972 ).
Entretanto, ainda em 1972, assina contrato com a Editora IMAVOX , editora ligada ao Rádio Clube Português, onde grava o seu primeiro L.P, designado por Cantos Livres, Contos Velhos, ( L. P. – 1973 ) e os singles Amigo, meu amigo ( single – l973); Barquinha vai, Barquinha vem ( single – 1974).
Com a Revolução do 25 de Abril, Francisco Naia vê os seus discos serem divulgados pelas estações emissoras, com destaque para "Amigo ,meu amigo", tema que se tornou muito popularizado.
Desde 1975 faz parceria com o músico e compositor João Pimentel, que o acompanha em guitarra clássica.
Já na Editora SASSETI, grava o L.P. "CÁ PRÁ GENTE" ( L.P.- 1979 ) com orquestrações de Pedro Osório e de Jorge Palma, cuja temática é a de homenagear toda uma série de figuras populares que o cantor conheceu ou contactou no seu dia a dia.
O disco , com alguns acidentes de percurso, que atrasaram a sua saída, foi considerado pela imprensa especializada como um dos melhores trabalhos saídos em 1979 e o teledisco respectivo (RTP) – "O chefe" – teve boas referências.
Do L.P. destacaram-se os temas "Neste Campo" , "O Chefe Tonicher", "Tia Inês", "Maria da Picareta" , "Cantilena do Rapaz Solteiro", "A Xaranga do Zaranza" etc.
Divulgado o disco no Canadá, Naia efectuou um período de concertos em Toronto e Montreal, com programas na rádio e na Televisão.
Em 1980 participa no primeiro Festival da Canção de Lisboa, no Castelo de S. Jorge, transmitido em directo pela RTP, com a canção "De Lisboa em Lisboa", com letra da Hélia Correia e música de Afonso Dias. Nesse mesmo ano gravou um single. Ainda na SassetI , "Canção de Lisboa" ( Single – 1980 ).
Em 1984/85 é convidado pelo realizador Artur Ramos para escrever e compor cinco temas para o filme "A Noite e a Madrugada", inspirado no romance de Fernando Namora com o mesmo título.( Filme também editado em vídeo )

Participou numa curta metragem de Augusto Cabrita sobre o rio Tejo. Também Interpretou uma curta metragem para televisão, inspirada no tema "O Chefe" – do seu último disco – filmada na estação da C.P. de Alcantara.
Compõe e escreve para peças de teatro, nomeadamente nas peças "Felizmente há Luar" de Stau Monteiro, com poemas de Joaquim Pessoa, levada à cena pelo TEB –Teatro Ensaio do Barreiro, em estreia nacional; " Zé Pimpão e os sapatos feitos à mão ", de António Ferra, professor, representada nas escolas e na Televisão.
Ainda para a Televisão, com música de "João Pimentel" e de ambos, participou como actor-cantor nas peças de Couto Viana "O Relógio Mágico" e " Era uma vez um Dragão", encenadas pelo Actor Mário Pereira.
Mais recentemente, em l998/99, participou como actor-cantor na peça " Jeremias", de autoria de Luís Vicente, sobre textos de Apuleio, Luciano, Brook, e do próprio actor; com encenação de José Mora Ramos e estreia no Fórum Municipal do Seixal. Seguiu-se tournée nacional, incluindo Açores.
Desenvolve o espectáculo e projecto discográfico "Cantes d’ além Tejo", apresentado nos últimos dias da Expo98, e o Recital de Canto e Guitarra – com João Pimentel – designado por "Cantos da Memória ". Depois o projecto "Em Cantos de Abril". Em projecto :"Primavera a Sul", canções de amor e luta – vivências; segue-se "Alentejo, minh’ afeição", música tradicional cantada por solistas populares alentejanos e"Não deixes de me encantar", temas de amor que poetas amigos convidados guardavam " na gaveta".

Ao longo deste percurso acompanharam Francisco Naia músicos e amigos, com destaque para : Fernando Alvim, Pedro Caldeira Cabral, António Chainho, Rui Cardoso, Tó Pinheiro da Silva, Zé Poppy, Zé Eduardo, Batata ,Velhinho, Gilda, João Carlos, Bartolomeu Dutra , Márinho, Luís Macedo, Rui Paes, Firmino, Jaiminho, Carlos Vargas, Pedro Osório, Jorge Palma, Ed Paes Mamede e os Grupo à Moda Popular, Grupos Açoreano Tanchão e Off Y Sina da música, Paula Goulart, Minela, Rui Curto, João Penedo, Mário Gramaço, Quiné, João Balão, Ceciliu Isfan, Jorge Carreiro, José Carita, Ricardo Fonseca, Gil Pereira, Nuno Faria.
Nos mais recentes trabalhos, nomeadamente no disco "Cantes d’além Tejo" e no espectáculo com o mesmo nome, participam, para além do cantor, João Pimentel (compositor e guitarra acústica) ; Rui Curto ( acordeão ) ; João Penedo ( contrabaixo ) ; Mário Gramaço ( Saxofone, flauta e clarinete ), Quine (percussões)


3 comentários:

António Gama disse...

Mas que grande prazer encontrar o nosso Chico Naia no blog de outro grande amigo. o Francisco tem uma das melhores vozes do mundo para alem das suas músicas e letras nos embalaram por esse Alentejo dentro.Fico tão contente que vou ver se o consigo colocar no meu blog. Mas como faço?

Um abraço para o Luciano e outro para o Chico.
kira

e obrigado

Luciano Barata disse...

Mestre, fui ao site do Naia e copiei minimamente, alguma coisa que o ilustrasse. Foi difícil porque ele tem um currículum que nunca mais acaba. Depois foi copiar. Só não consigo colocar a sua música.
Um abraço mestre kira!

António Gama disse...

obrigado. já fui ver o site do chico mas sacar não consigo.
vou telefonar-lhe.
um abraço.
kira